Elieltonsoul Student

  • Male
  • Member since Feb 12th 2019
  • Last Activity:
Posts
37
Likes Received
212
Points
407
Profile Hits
346
  • Boa tarde! Por qual motivo vc me bloqueou?

    • Respondi a você via Mensagem Privada (MP), meu caro.

  • Libera minha galeria, qro postar uns rcs

    Obg!

  • alface aprendiz, pergunta pra chefia pq apagaram o nosso post ????

    • Basta você perguntar diretamente a ela 'monamour'. Abre uma MP com a Chefia, ela escuta.

  • Ostra feliz não faz pérola,

    já dizia Rubem Alves.

    É preciso um grão de areia para incomodá-la,

    tirá-la de sua zona de conforto,

    para findar a dor que a incomoda então,

    a ostra produz uma substância lisa, brilhante e redonda

    que vai envolvendo o grão de areia.


    - Uma metáfora clara: É PRECISO NOS REINVENTAR-NOS


    Vez por outra colho de jornais e revistas as matérias que alimentam estas mal traçadas linhas, de onde me lêem os amigos navegantes. De vida um tanto recolhida, ex animal noturno, transformado de uns tempos para cá em bicho madrugador, (leio, vejo, ouço) noticiários ante a uma contemporaneidade multifacetada lemos diz-que-disses dos istmos jornalísticos. Assim me alinho lendo composturas e descomposturas razoavelmente sintonizadas com as ondas. E se de jornal me nutro é natural que estenda aplausos às celebres matérias deste Jornal, que o tornaram tão singular.


    Ousarei, mas não sem perder alguns detalhes singulares que de pronto declaro ser falhas minhas, desse humano redator que ao tentar trazer do que foi mais importante do jornal falha em um ponto ou outro, se o erro ainda for demasiado extenso, peço que acessem esses dois links: IKA ARQUIVOS Edições 2009-2019... Arrisquei, no entanto, a realizar um compêndio do 'O IKARIANO', cujo o número (zero), era anunciado em 08 de abril de 2009, passaria a partir de então a ser publicado mensalmente apresentando artigos dos mais variados temas. A história da música popular brasileira ganhou destaque especial, com seus ritmos e gingados - da bossa nova ao samba - que nascido aqui de onde vos escrevo, no Recôncavo Baiano, é carregado para o Rio de Janeiro em meados do séc XIX. Deste artigo, salto para uma discussão polêmica tratada ainda nas primeira edições, em agosto de 2009, o jornal em sua 5ª edição problematiza a legalização da cannabis no Brasil em uma enquete com mais de 130 participações.


    Deixo os primeiros anos do jornal e sigo, até encontrar os sentimentos de Misia, grafados em letras garrafais seus sentimentos pelo nordeste... atualmente ela vive no Rio de Janeiro. Ah! Rio de Janeiro e suas belas praias, agora sob o eufemismo encontramos “Um lugar mágico”, “incrível” e simplesmente “inacreditável”, e como disse nosso saudoso Renato Russo em Legião Urbana "angra é dos reis". E o desabafo de um leitor, uma voz singela que se soma a tantas outras, contra uma doença que assola a nossa tênue democracia, a corrupção.


    Fãns choraram a morte do rei do Pop, de uma noite que deveria ser de festa e que de repente se torna umas das maiores tragédias brasileiras, A tragédia de Santa Maria como bem descreveu nossa redatora @DANNY-"Perdemos mais de 200 sorrisos, mais de 200 olhares, mais de 200 abraços, mais de 200 beijos, mais de 200 sonhos, muito mais que isso. Só ficaram estas centenas de lágrimas, centenas de suspiros, centenas de coisas das quais nem quero comentar para não ficar mais triste..."


    Em contraponto tivemos matéria curiosas e educativas a história da nossa bandeira contada de uma forma que vai deixa-los impressionados. Sem amores e desamores não vive uma só alma nesse mundo. Não estou certo? E as brincadeiras da infância, as peladas na rua, o pique-esconde, as coleções de figurinhas, aquele polystation ou o nitendo velho, os baleados, AH! Infância, que desalento trazes, que nostalgia tu lembras.


    Para aqueles amantes de leituras um tanto mais auspiciosas e densas, um debate sucinto entre a ideias Renezianas sobre o pensamento Metafísico que o levou mais tarde a produzir um trabalho que ficaria conhecido numa frase dita pelo filósofo há mais de quatro séculos e que ainda entoa perenizado em nossa sociedade, "penso logo existo". Bem Descartes a razão humana não enseja de forma unilateral de existência. Mais que isso, são uma complexitude - (completude no português) - de laços fraternais, da cultura de um povo, de forma diversa na religião, até mesmo em algo jurisdicional ética e moral.


    Leio nas últimas edições as histórias do mundo Ikariano contadas de forma sensacional, nas palavras gentis da @Baionetta vemos a união de quereres, são os contos das Alianças, do pensamento sagaz do @Maicon Mad temos as peculiares histórias de nossos insulares jogadores, que ainda me presentearia com minha participação em um de seu episódios sobre a origem de seu nick.


    Por fim intimoratos companheiros navegantes desta página, encerro estas maltraçadas com um preito e uma comoção. Antes de ter o privilégio de cá estar como um redator, a tempo de escrever essas poucas palavras para edição tão especial de um jornal, que chega ao seu número 100. É como a maioridade, uma passagem para algo maior, de maior autonomia e maior responsabilidade, indico umas leituras primorosas de histórias de superação desses que são nossos colegas do Fernando - Fefe Blinded, sobre o Virose, fiquei com a sensação definitiva e mais uma vez compreendi o que disse Drummond: "de notícias e não notícias faz-se a crônica".


    Se até aqui chegamos face a tanto tombo, devo também declarar que o bom jornalismo ainda nos reserva bons ventos de nobreza. E @mata hari; @PsyL; @Maicon Mad; @Baionetta e sobretudo a você amigo leitor. Perpetrem no mundo a sua marca, o gozo transito e inconfudivel de existir.

  • AETERNUS

    Há mitos. Há lendas. Há almas. Independentemente de como serão lembrados, uma coisa é certa, são todos eternos.


    A escolha do título não foi aleatória, A+ETERNUS derivada do latim, (A, de 'negação') + (Eternus 'que perdurará para sempre'), ou seja, (aquele que deixará um legado). Na mitologia foi usada comumente para dizer: um garoto deus eterno. Para psicologia: um velho que sempre terá a alma jovem. Mas prefiro a forma que a poesia trata a palavra, ela afirma que: "o 'estar' é passageiro, mas o 'ser' é eterno"


    Não importa a designação, sabemos que cada um desses deixou uma marca no Ikariam, muitos dos quais não recordo mais do nome, não achei os arquivos perdidos – com a 'repaginação' do Fórum muita coisa foi deletada - resta lembrar então daqueles que ficaram na memória, aquele que fizeram muito pelo mundo ao qual jogou, que ajudou ao Ikariam ser um dos melhores jogos de estratégia de seu tempo.


    Alguns já se foram, como a eterna Angell (GA), Emerson o nosso Grande Barbossa, o Yan (pedir totalmente contato), o Pekado (ex -BOPE), Rodrigo Holanda (AVGs)... Foi assim com os grandes Impérios, o grego e antes desse o persa, e o maior de todos eles o romano, assim como estes Impérios, esse players fizeram do Ikariam meu Hobbie favorito em seu tempo.


    Outros ainda persistem, é o caso do Biel (Mar), ySilva (Mar), o Shark (GA), o Miguel (GA), Tio Turambar (GA), Troyano (GA). É também daqueles que resolveram retornar, como o Capitão Jck Sparrow, Andinho e até mesmo – o carinha que vós escreve – o Soul (GA), alguns nem tão ativos como outrora, mas permanecemos fortes.


    E quanto aos outros jogadores, são tantos e foram tantos e de tantos mundos, fundidos ou não, dos antigos e dos novos. Sim todos vocês podem se considerar um "AETERNUS", e O Ikariam será eternamente grato a vocês. Grandes Jogadores!

  • A música é a língua materna de Deus.
    Aliás foi isso que nem católicos nem protestantes entenderam,

    Que em África os deuses dançam.
    E todos cometeram o mesmo erro:

    Proibiram os tambores.

    Na verdade,

    Se não nos deixassem tocar os batuques,

    Nós, os pretos, faríamos do corpo um tambor.
    Ou mais grave ainda,

    Percutiríamos com os pés sobre a superfície da terra

    E assim abrir-se iriam brechas no mundo inteiro.”

    Mia Couto

  • Demorou mas conseguiu o tão sonhado sonho de entrar na equipe de MOD em

    xD

    boa boa

    • Éramos colegas antes Fly... Você era SMOD, eu um MOD Singelo. É que talvez, dai de cima, da cadeira de S-MOD você não me enxergava.

    • kkkkkkkk

      Eu via, mas ficou tão pouco tempo pela falta de tempo

      Espero que dessa vez possa chegar mais longe

  • rapaz só não observe o O Impostor que o estranho é ele viu

    • Tentando entender... mas buguei total.

    • é por conta do seu hobby de observar gente kk

    • Comece a observar as pessoas... Elas (todas), seguem um padrão, depois de muito tempo fazendo isso, muito raramente conseguirão mentir para você. As crianças então, ela tem mais a ensinar que normalmente pensamos.

    • rapaz eu gostei disso!!!! realmente, existem certos padrões que mostram as atitudes das pessoas. mas como você age com as particularidades de cada um? isso influencia você a ter uma ideia errada sobre a pessoa?

    • Não é uma ciência onde você irá prever todos os passos e ações das pessoas. Mas você consegue com um pouco de treino ler as pessoas no plano mais amplo e geral: ninguém consegue guardar um segredo; que mentir é o que nos faz humanos; erramos mais do que gostaríamos; Gastamos mais tempo desejando o que é do outo do que trabalhando para construir o nosso; desejamos o que não temos e quando temos passamos a desejar outra coisa (pode ser objeto ou pessoa); e estamos o tempo todo tramando algo...


      Estou falando no geral, as particularidades, precisa de um Behaviorista para cuidar delas. Quem não se enquadra nisso, ou será santo, ou está em um plano divino, humano que não é.

  • A juventude envelhece,
    A imaturidade é superada,
    A ignorância pode ser educada; e,
    A embriaguez passa.
    Mas a estupidez dura para sempre.

    - Aristofánes

  • Não te amo, quero-te: o amar vem d’alma.
    E eu n’alma - tenho a calma,
    A calma - do jazigo.
    Ai! não te amo, não.

    Não te amo, quero-te: o amor é vida.
    E a vida - nem sentida
    A trago eu já comigo.
    Ai, não te amo, não!

    Ai! não te amo, não; e só te quero
    De um querer bruto e fero
    Que o sangue me devora,
    Não chega ao coração.

    Não te amo. És bela; e eu não te amo, ó bela.
    Quem ama a aziaga estrela
    Que lhe luz na má hora
    Da sua perdição?

    E quero-te, e não te amo, que é forçado,
    De mau, feitiço azado
    Este indigno furor.
    Mas oh! não te amo, não.

    E infame sou, porque te quero; e tanto
    Que de mim tenho espanto,
    De ti medo e terror...
    Mas amar!... não te amo, não.


    de: Almeida Garrett, in 'Folhas Caídas'

  • Após um grande trauma
    causado ao corpo ou à mente,
    leva um tempo até que a frágil personalidade do ego se recupere.
    (Temos muita sorte de que este antigo provérbio seja verdadeiro:

    "Almas dobram, mas não quebram".)